O lume das cerejas...



Debruada
a sangue
e fogo
ela não
esperou
que o estio
consumisse
as suas veias

Antes mesmo
que o fulgor
a invadisse
pintou
a copa
com as cores
do desejo

O sol era
por aqueles dias
o lume das cerejas
nas nossas bocas


V. Solteiro, 06.07.07

4 comentários:

Hanah disse...

Aqui
Encontrei mais um recanto para olhar a vida...

Quantas coisas lindas....!

Abração

Hanah

lupussignatus disse...

Obrigado, Hanah!

Bom fim de semana.

Abraço atlântico,

Vítor

maat disse...

"O sol era
por aqueles dias
o lume das cerejas"... como pródiga é a Terra em suas luxuosas cores...e o poema ilumina-se por dentro.

Belo!

Bom fim de semana,


***maat

lupussignatus disse...

Obrigado, Maat.

A Terra é um manancial de beleza sem fim...

Que bom seria se invertéssemos o modo de vida que a depaupera!

Bom fim de semana.

Vítor