Natureza viva

Óleo de Maat


Respiro
o azul
dos corais
na geometria
marinha
da tela

Inalo
o rubor
do sal
na textura
encrespada
das suas
vagas

Um rumor
de fráguas
e águas
nascentes
escorre já
pelas
arestas

(Aguarela
de musgos
e de líquenes
pressentidos)

Ouves?

É o silêncio
do bosque
assomando
já no contorno


V. Solteiro, 03.07.07

Obs.: Palavrinhas alinhavadas a partir da visualização do óleo de Maat (que acompanha esta postagem) inserido no blog http://vivaaosol.blogspot.com/



7 comentários:

maat disse...

poderei levar este poema para o pé do quadro?
Só porque gosto. e gosto de gostar.

ouço a resposta?! ele lá está.

se ouvi mal... diz que o escondo.

sol para as tuas palavras de sal e vida,


***maat

lupussignatus disse...

Obrigado, Maat.

Quanta gentileza...

maat disse...

podes olhar a HARMONIA DO MUNDO. Parece-me um começo muito importante. Está lá na luz do Poema para divulgação.
Ei conheço a Teresa, é uma pessoa com imenso valor humanístico e cultural.

***maat

Mïr disse...

Como é belo poder assistir a este diálogo...

Obrigada a ambos.

lupussignatus disse...

O diálogo - mesmo que virtual - é uma ponte de afectos e de outros tantos dialectos...

Obrigado, Mir.

Hanah disse...

Maravilha...

pathwork...
...


obrigado por sua visita ao meu espaço....
obrigado por colocar-me na sua lista..

passei por aqui apressada, navagarei por esse mares ....

lupussignatus disse...

Olá Hanah!

Não tem que agradecer. Fi-lo com gosto...

Bom resto de semana.