Sem pão nem sol de roupa...




"Dia de chuva na cidade
triste como não haver liberdade.

Dia feliz
com varões de água
a fecharem o mundo numa prisão.
E alguém a meu lado com voz múrmura que diz:
"está a cair pão".

Ah! que vontade de gritar àquela criança seminua
sem pão nem sol de roupa:
"Eh! pequena! Deita-te na rua
e abre a boca..."

(Dia em que urdo
este sonho absurdo.)"


"Café/XXVIII", poema de José Gomes Ferreira, Porto, 1900-1985

http://pt.wikipedia.org/wiki/José_gomes_ferreira

2 comentários:

ContorNUS disse...

gostei de reler no enquadramento das fotos...pensamentos sapiêntes.
Obrigada pela partilha ;)

lupussignatus disse...

Olá Contornus!

Bem-vinda a bordo...

Não tem nada que obrigadar.

Gosto de dar aquilo que recebo...A poesia é um excelente passaporte para viajarmos ao encontro dos outros...