Sussurro


"(...) Nos bosques, perdido, cortei um ramo escuro
e aos lábios, sedento, ergui o seu sussuro:
era talvez a voz da chuva soluçando,
um sino partido ou um coração cortado (...)"

Pablo Neruda, Soneto VI, in "Cem Sonetos de Amor"

2 comentários:

maat disse...

...deixo-te este belo poema do Eugénio de Andrade, talvez em sintonia com o que colocaste:

"O amor
é uma ave a tremer
nas mãos de uma criança.

Serve-se de palavras
por ignorar
que as manhãs mais limpas
não têm voz."

Eugénio de Andrade, Primeiros Poemas


Boa semana ,

***maat

lupussignatus disse...

Sintonia em ondas perfeitas - não hertzianas, mas poéticas!...

O cume da beleza está na simplicidade. Eugénio soube isso melhor do que ninguém...

Obrigado, Maat. Pelo poema. Pelas palavras. E pela energia das ondas...

Uma semana luminosa para ti...