Casa-mãe...



"Não minha mãe. Não era ali que estava.
Talvez noutra gaveta. Noutro quarto.
Talvez dentro de mim que me apertava
contra as paredes do teu sexo-parto.


A porta que entretanto atravessava
talhada no teu ventre de alabastro
abria-se fechava dilatava.
Agora sei: dali nunca mais parto.


Não minha mãe. Também não era a sala
nem nenhum dos retratos de família
nem a brisa que a vida já não tem.


Talvez a tua voz que ainda me fala...
...o meu berço enfeitado a buganvília...
Tenho tantas saudades, minha mãe!"



"Infância", poema de José Carlos Ary dos Santos, Lisboa, 1937-1984
"Young mother", fotografia de Jack O Daniel, in http://www.photoforum.ru/

4 comentários:

Hanah disse...

rico...muito rico...

kissing

maat disse...

...infinitas...

bj.


***maat

lupussignatus disse...

Olá Hanah!

Ary é o ar...

Brisa quente que nos afaga...

Beijo.

lupussignatus disse...

Olá Maat!

...Intemporais...

Beijo.