O afecto é uma flor que urge proteger...



"Viver é um treino e uma aprendizagem...É um exercício de meter no possível os nossos sonhos, os nossos desejos e as nossas ambições mas sem abdicar deles. O que é possível, sempre, é o afecto que damos aos outros."

António Alçada Baptista, escritor, in "O Riso de Deus"


Fotografia de Judith Tomaz, sem título, disponível em http://www.photoforum.ru/


10 comentários:

Ana disse...

Afetar o outro é auto afetar-se, podemos ver "O Riso de Deus".

A foto também afetou-me!!!!

maat disse...

O Afecto é a montanha dos Amigos.
É onde o coração encontra abrigo e se solta a águia dos sonhos .

Sempre penso que a aprendizagem de viver está em percebermos que o que somos , não o somos para nós, mas para os que de nós precisam.
Subir a montanha faz crescer.
Mas...de repente ...ela está aqui...


Aquele abraço,



***maat

Mïr disse...

O afecto é a dádiva num abraço que protege.

Linda fotografia, que se espelhe no teu dia.

Hanah disse...

Uma emoção...
Um sentimento de bem querer...


beijo

Dalaila disse...

que os afectos não se poercam nunca nos caminhos....

Com estas palavras abraço o meu dia.

beijinho

lupussignatus disse...

Olá Ana!

Gostei muito do teu comentário. Sobretudo dessa ideia de colar o afecto ao que vive dentro de nós; somos afectivos porque o Outro nos afecta.

Outros existem que vivem afectados...e afastados. De tudo e de todos. Até de si próprios!

A foto é, na verdade, muito afectuosa, honra seja feita ao seu autor...

lupussignatus disse...

Olá Maat!

Ler o teu comentário, inala-lo enquanto se sobe a montanha, enquanto se junta esses nós e esses laços no pensamento, faz parte desse caminho, dessa constante aprendizagem...

A vista cá do cimo é magnífica! :)

Abraço rochoso.

lupussignatus disse...

Olá Mir!

O afecto é um dialecto que carece de expandir-se e universalizar-se num abraço globalizado...

Obrigado pelas simpáticas palavras. Noite de estrelas...

lupussignatus disse...

Olá Hanah!

Isso mesmo: emoção à flor da pele.

Ou será pele emocionada pela flor?

Não importa. Ambas são prova de afecto. Como os teus comentários...

Beijo.

lupussignatus disse...

Olá Dalaila!

Os afectos nunca se perdem; nós é que nos podemos perder deles...

Mas esse é já outro caminho. Sem trajecto. Circunspecto.

O melhor mesmo é perdemo-nos neles...O caminho é mais seguro. Luminoso, também. :)

Beijinho.