Os aromas e os frutos


"Lembrarás aquela encosta caprichosa
a que os aromas palpitantes treparam

(...)

E aquela vez foi como nunca e sempre
vamos ao sítio onde nada espera
e achamos tudo o que nos está esperando."


Pablo Neruda, Soneto IV, in Cem Sonetos de Amor, tradução de Albano Martins, editora Campo das Letras

Sem comentários: