No fim de contas...



"No fim de contas, por muito que nos doa e demoremos a morrer, no fim morremos sempre. E quem morre, descansa."

in "O Capitão Alatriste", de Arturo Pérez Reverte, edições Asa, 2006

2 comentários:

maat disse...

Não concordo com este pensamento de Arturo Pérez, in "O Capitão Alatriste".
A Física Quântica diz-nos precisamente o contrário: " nunca nascemos , nunca morremos".São os nossos padrões antigos que nos limitam... somos uma Experiência da Vida, a várias dimensões...(não existe Tempo nem Espaço, são ilusões criadas pela Mente, onde os vários filmes que fazemos da Realidade são projectados...
(...)
Até sempre,


***maat

lupussignatus disse...

Maat,

Isso implica que não existe um princípio e um fim e que somos uma espécie de contínuo, um ser intemporal?

E qual a resposta ás questões fundamentais: de onde vimos, para onde vamos?

Numa coisa, estamos de acordo: somos nós que criamos as nossas próprias limitações e prisões. De múltiplas e variadas formas...