Sinais de fumo



Smoke, de Dmitry Starostin

Na bolsa a tiracolo
carrego o peso do mundo:
uma pacotilha de filtros, mortalhas,
algum tabaco de enrolar.


Quando o caminho me toma
no regresso a mim
costumo fazer 
sinais de fumo.


Texto de V. Solteiro


4 comentários:

maria azenha disse...

lindo...lindo...lindo...

beijo

Lídia Borges disse...

O regresso às origens é, assim, uma possibilidade muito concreta.

Um beijo

Anónimo disse...

muitos de nós carregamos o peso do mundo e nem por isso usamos sacos à tiracolo


abraço

Anabela Ascensão Baptista disse...

Lírico... Poético... e tão insalubre...