Do fundo [não se vê o fundo]


O fundo perguntou ao fundo
se no fundo
ele queria ser
lacaio ou carrejão.

O fundo, mirando-se ao espelho,
do fundo disse:

- 'Já que o poço
nos cobra aos dois
até o próprio pescoço
deixa ao menos
que eu seja a corda
que os morde
até ao osso!'

Texto de V. Solteiro

Fotografia de Xviper - "It is all about money"

5 comentários:

Lídia Borges disse...

Muito apropriado.
De facto entre o mau e o mau, a escolha pode ser o resgate da alma.

Um beijo

Graça Pires disse...

Interessante, a escolha. Interessante a lucidez do poema.
Interessante este tempo em jeito de metáfora...
Beijos.

maria azenha disse...

poesia

intervenção clara

actual

RC disse...

Respirar fundo.

Graça disse...

O fundo... pois.

Beijo e boa semana, V.