O re.colhimento dos frutos...

































canto o indizível
a força matriz da vide
na ramada do alento
o chilrear do vento
na copa da tarde

canto
isso me basta
se o fruto não tarda


Texto e fotografia
de V. Solteiro

10 comentários:

Lu disse...

Gostei da foto e o texto, ficaram bons!

Abrazo!

Luiza Maciel Nogueira disse...

O cantas dos frutos e as sementes que se multiplicam neles :) lindo!

Bjs

Lídia Borges disse...

E o indizível se faz fruto no ramo mais alto do talento...

Uma delícia!


L.B.

Jefferson Bessa disse...

Caminhada nas mãos da natureza. Muito bonito, Vítor!
Abraços, amigo!

Jefferson.

. intemporal . disse...

.

. cantas .

. e,,, .

. en.cantas .

. por ora .

. e sempre .

.

. abraço v.

.

Carmo disse...

Delicioso!
Beijos
Boa semana

Ramon Alcântara disse...

o novo do mesmo sempre mantendo a eternidade.

abz

Graça disse...

Cantar o indizível já é tanto. Bastam as palavras... tuas.


Um beijo.

Sílvia disse...

E ele virá.
Um beijo

CANTO GERAL DO BRASIL (e outros cantos) disse...

V.,
Se o fruto não tarda, tudo basta...
Bom re.colher-me aqui...

Abraço de mim de Minas,
Pedro Ramúcio.