Líquida colheita...



"O homem lança a rede e não divide a água
O pobre estende a mão e não divide o reino

É tempo de colheitas e não tenho uma seara
Nem um pequeno rebento de oliveira"


Poema de Daniel Faria

"The fisherman and his net", fotografia de Reda Danaf

10 comentários:

lmm disse...

ganda foto

Ana disse...

Colhendo poesia numa seara de palavras.

~pi disse...

nunca mas nunca

nos será

oferec-ido

tão

só tão

poeta-em-estado-

-

l

í

q

u

i

d

o





~

mariagomes disse...

Obrigada.
Como eu gosto de Daniel Faria!

Meg disse...

Lupussignatus

Belas palavras de um poeta que tão prematuramente nos deixou...
A fotografia é soberba.

Um abraço

ângela marques disse...

Obrigada pela visita e pelas palavras.

Gostei deste espaço e voltarei.

mariah disse...

deixo na sequ~encia esta pérola de NÂZIM HIKMET:

" Das canções de embalar que as mães cantam
Até as notícias que o locutor lê
Vencer no mundo a mentira, esteja onde estiver
No coração, dentro do livro,no meio da rua.
Que sorte fantástica seria compreender
Compreender o que passou e o que vem aí."


afecto,

mariah

GMV disse...

[vim respirar um pouco do teu ar]

Obrigada.

E Daniel Faria a começar? Voltarei, decerto...

maré disse...

"é tempo de colheitas"

.

ardeu uma seara

de nada

indivizível

gabriela rocha martins disse...

é tempo de retomar o significado da palavra

POESIA

e faço.o em plenitude


.
um beijo