Espera-me a primavera...



"(...) Sou a testemunha que vem
visitar a vossa morada.
Oferecei-me a paz e o vinho.

Amanhã cedo partirei.

Espera-me em toda a parte
a primavera."



Excerto do poema "Palavras para a Europa", de Pablo Neruda, in "As Uvas e o Vento", tradução de Albano Martins, Editora Campo das Letras, 2007
"Spring", fotografia de Miguel Nicolaevky, in http://www.photoforu.ru/

10 comentários:

Mïr disse...

Obrigada pela visita, obrigada pela paz, obigada pelo alimento.

Partirei ao encontro da Primavera.

Ana Pallito disse...

(C)oração iluminado.

Mar de amor à VIDA!

Obrigado Querido.

maat disse...

um poema de primavera e passado eterno...

amoroso ...

***maat

Hanah disse...

...

Dalaila disse...

que bonito, eu que estive fora por uns dias, é sempre bom regressar aos meus portos e sentir o aroma dos vinhos.

beijinho

lupussignatus disse...

Olá Mir!

Grato pelas palavras, pelo aroma que delas emana, doce e sereno, como uma primavera de vocábulos...

Neruda é tudo isso - aragem colorida sussurando ao ouvido...:)

lupussignatus disse...

Olá Ana!

Cor. Coração. Oração. Amor.

A tudo isso nos convoca Neruda.

Com a sua poesia de água fresca e límpida...



Obrigado.

lupussignatus disse...

Olá Maat!

Um poema-diadema...:)

lupussignatus disse...

Olá Hanah!

Paz!

lupussignatus disse...

Olá Dalaila!

A poesia de Neruda é um daqueles néctares que não se prova, degusta-se...

Vagarosamente, como quem espera pela eternidade...

Beijinho.