Deltas, cometas e nenúfares...

Fotografia de V. Solteiro,
Serra do Caramulo,
Janeiro de 2008
crepitam
labaredas
quando
sobes
num ápice
aos lábios
da noite
precipitas
monções
quando
os trémulos
dedos
das estrelas
cingem
o peito
das nuvens
um voo
basta
imperceptível
imponderável
para que
as muralhas
cedam
e se abatam
sobre o
regaço
é desse
cristalino
ventre
que brotam
deltas
cometas
e nenúfares
V. Solteiro, 26.02.08

6 comentários:

Dalaila disse...

jktmktocantes
labaredas
de palavras que nos tocam como algodão, nas serras imaginadas da realidade que existe.

Beijinho

Meg disse...

E é sobre um regaço prenhe de nenúfares que se despenha esta bela cascata de palavras,lindas, sóbrias, procurando o aconchego...

Um abraço

Ana Pallito disse...

Estou cá nas nuvens com teus textos querido.


Abracinho:)

lupussignatus disse...

Olá Dalaila!

As tuas palavras, imbuídas de poesia, são chama que não se apaga...

Obrigado.

Beijinho.

lupussignatus disse...

Olá Meg!

É na cascata de palavras frescas e límpidas de quem aqui vem - e volta - que mergulho e nunca me canso...

Obrigado.

Abraço.

lupussignatus disse...

Olá Ana!

Que essas nuvens façam pingar sobre a terra gotículas de agradecimento...

Abraço de cirrus.