O aroma do jasmim...

Photobucket
"(...) A avó governava a casa, uma casa que ele depois recordaria grande, antiga, com um pátio onde ardia nas noites de muito calor o aroma do jasmineiro e inúmeros quartos onde suspiravam às vezes os mortos. Para dona Tranquilina, cuja família era proveniente de La Goajira, uma península de areais ardentes, de índios, contrabandistas e bruxos, não havia uma fronteira muito definida entre os mortos e os vivos. Coisas fantásticas eram referidas por ela como vulgares acontecimentos quotidianos. Mulher miúda e férrea, de alucinados olhos azuis, à medida que foi envelhecendo e ficando cega, aquela fronteira entre os vivos e os desaparecidos tornou-se cada vez mais ténue (...)."


in "O Aroma da Goiaba", de Gabriel García Marquez e Plínio Apuleyo de Mendonza

"Clouds and jasmine", de B.K. von Bernhard, in http://www.photoforum.ru/

8 comentários:

Luis Enrique disse...

Maravilhosas as leituras do seu blog como sempre! Um renovado feliz ano 2008 para si amigo Lupussignatus e para os seus. Abraço

Ana Pallito disse...

Jazemim a natureza da beleza.

Reaviva-as

:)

maat disse...

... "alucinados olhos azuis, à medida que foi envelhecendo e ficando cega, aquela fronteira entre os vivos e os desaparecidos tornou-se cada vez mais ténue "...

De uma beleza imensa...


***maat

Dalaila disse...

o jasmim que vive, e perfuma as letras do teu canto

lupussignatus disse...

Olá Luís!

Obrigado pelas gentis palavras.

Ainda bem que o perfume do jasmim chegou ao lado de lá do atlântico... :)

Um FELIZ ANO também para si e os seus.

Abraço.

lupussignatus disse...

Olá Ana!

O perfume desta flor é música para os olhos e ouvidos... :)

Tal e qual como a escrita de Gabriel García Marquez...

lupussignatus disse...

Olá Maat!

A magia e a mestria de Gabriel García Marquez é inolvidável.

Contagia-nos.

Tem raízes bem extensas e fundas na geografia sul-americana.

lupussignatus disse...

Olá Dalaila!

O perfume jasmim vive e revive nas letras bordadas com a cor da amizade.