Os lugares habitam (n)o Homem...



"Tantas vezes os lugares habitam no Homem
e os homens tantas vezes habitam
nos lugares que os habitam, que podia
dizer-se que o cárcere de Sócrates,
estando nele Sócrates, não o era,
como diz Séneca em epístola a Hélvia.


Por isso cada lugar nos mostra
uma vida clara e desmedida
enquanto o Tempo oscila e nos oculta
que é curto e ambíguo
porque nos dá a morte e a vida.


E os lugares somente acabam
porque é mortal cada homem
que houve em si algum lugar."


"Canto dos Lugares", poema de Fiama Hasse Pais Brandão
"Quem sobe o Douro", fotografia de Álvaro Giesta, in http://www.photoforum.ru/

2 comentários:

Dalaila disse...

os lugares habitam dentro de nós, com gente, com memórias, com recordações, esse lugar só existe porque existimos nele, nesse lugar que muitas vezes passamos todos os dias, essa avenida que se encontra a tempo de existirmos nela... e desaparece só porque ne deitei também.

lupussignatus disse...

Olá Dalaila!

Há lugares que se nos colam á pele como o pólen primaveril...

Há lugares que nos gritam com as suas paisagens povoadas de silêncios e odores...

Há lugares que correm pelas veias como rios fulgurantes de ouro e sangue...

Há lugares que habitam...

Há lugares que nos habitam...

Há lugares que nos habituam...

Há lugares que nos situam...

É nas suas coordenadas que tecemos a teia do quotidiano...

É nas suas latitudes e longitudes que nos transfiguramos no fio do meridiano...