No escuro...

Vislumbro
no incan
descente
escuro
as rugas
das nuvens

Um ínfimo
feixe
de luz

Um íntimo
espaço
que seduz

Ângulo
Tecitura
Fibra
Conjectura

A noite
é um corpo
que perdura
no labirinto
da saudade

É na linha
contínua
das suas
formas
que traço
a diagonal
dos ombros

É nos fios
que sustêm
as estrelas
que acendo
o rastilho
dos dedos

V. Solteiro, 26.10.07
"Dancing in the dark", fotografia de Zeca, in http://www.photoforum.ru/

10 comentários:

maat disse...

Belos excertos do belo Poema " No escuro"!
(...)
"A noite
é um corpo
que perdura
no labirinto
da saudade"
(...)

"É nos fios
que sustêm
as estrelas
que acendo
o rastilho
dos dedos"...


***maat

Mïr disse...

"A noite
é um corpo
que perdura
no labirinto
da saudade"

Lindo.

lupussignatus disse...

Boa tarde Maat!

Ainda bem que gostaste; sinto sempre que fica algo por dizer, que sou demasiado repetitivo, mas a verdade é que tudo já foi dito, nós só repetimos o que outros, bem melhor do que nós, já disseram...

Fim de semana luzidio.

lupussignatus disse...

Boa tarde Mir!

Obrigado pela gentileza.

Fim de semana solar.

Hanah disse...

Lindissimo...

Bom final de semana para ti também...


beijo

Maria João disse...

"É nos fios
que sustêm
as estrelas
que acendo
o rastilho
dos dedos...."
tão ardentes de
desejo

lupussignatus disse...

Bom dia Hanah!

Fico feliz por teres gostado...

Beijo.

lupussignatus disse...

Bom dia Joaninha!

A poesia acende o que há de melhor em nós...

Dalaila disse...

é nestas palavras
que me desenho
e marco o meu corpo
na noite

penduro-me no feixe de luz
e rasgo as nuvens
essas que vagueam no meu labirinto

e no traço que encontro no ombro
das tuas palvras
perdura a saudade
acendem-se os dedos
e torno-me num fio
ínfimo
que enlaça as palavras que escreves.

LINDO!

lupussignatus disse...

Boa noite Dalaila!

Adorei esse poema que escreveste sobre aqueleoutro que escrevi...

É muito bonito. Nada fica a dever ao original, bem pelo contrário...:)

Obrigado.