No céu da boca...



"a morte não me
assusta, hei-de voar-lhe
no céu da boca
assim que se prepare para
me engolir."


"No céu da boca", poema de Valter Hugo Mãe
http://www.valterhugomae.com/
http://www.casadeosso.blogspot.com/

Fotografia de Adilson Faltz, intitulada "Learn to Fly": http://www.photoforum.ru

4 comentários:

Dalaila disse...

lindo este texto!

A morte é o cumlinar, é o deitar e mergulhar na água...

A morte é a vida noutra dimensão, por isso vivê-la é aceita-la.

lupussignatus disse...

Olá Dalaila!

Vale a pena conhecer os novos escritores e poetas portugueses.

A sua voz particular e universal.

Valter Hugo Mãe é um desses casos.

Este poema é um murro no estômago!

Desmaterializa a carga simbólica e religiosa que está associada á morte. Pelo menos, assim o interpretei.

Continuação de um óptimo fim de semana.

Hanah disse...

Belissimo post...

é como se estivesse mesmo falando de cidadão para cidadão...

Concordo contigo...
é simplesmente pura...


Beijão

lupussignatus disse...

Olá Hanah!

Obrigado pelas tuas palavras sempre simpáticas e atentas.

Valter Hugo Mãe é um jovem poeta que vale a pena conhecer.

Foi esse lado coloquial, atrevido e - porque não dizê-lo - descomplexado de falar da morte que me fascinou neste belo poema.

Beijinho.