O peso de existir...


"(...) O homem, para ser humano, tem que ser desumano? O que é certo: ninguém tem ombro para suportar sozinho o peso de existir (...)."


Mia Couto, in "Na Berma de Nenhuma Estrada e outros contos", Editorial Caminho, 2001

4 comentários:

Dalaila disse...

O peso da nossa existência, é precisamente fazer da nossa existência um peso, não um fardo!
Fazer, falar, discutir, partilhar, estar, assim, seremos um peso que ficará com marcas no solo.
Isto é ser humano, e habitar em sinfonia com os outros e erguer a palavra, sem receios nem medos, ao que não acreditamos. Assim, não estamos sós.

lupussignatus disse...

Olá Dalaila!

Sulcar o chão que pisamos. Deixar marcas como o arado que continuamente renova a terra. Eis aquilo que entendo que nos deve mover. Sermos húmus. Para nós e para os outros.

ContorNUS disse...

Obrigada pela partilha deste pensamento de Mia Couto... palavras sapientes complementadas de uma imagem igualmente intensa.

lupussignatus disse...

Olá Conturnus!

Mia Couto é para mim uma referência incontornável. Ele é bem mais do que um escrevinha-dor; ele é magistral na arte de reinventar e reinterpretar a linguagem...