Claves de Primavera



(Aos que amam os pássaros que se desprendem da árvore da música)

O canto
multicolor
e frenético
dos pássaros
ascende
vertiginoso
pelos tímpanos
dos plátanos

Atrevidos
os sons
alojam-se
na frondosa
ramagem
da sua copa
e aí fazem ninho

Atento
o maestro-sol
rege a sua
ornitológica
orquestra
com mão leve
e sibilina
espalhando
raízes de claves
pela textura
rugosa
da atmosfera

Afagadas pelo calor
dos seus ramos
as derradeiras
gotículas de orvalho
espreguiçam-se

Vagarosamente
descem
pela haste do dia
e espraiam-se
pelas colinas
de uma orquídea
antes de se condensarem
num último grito

de luz

V. Solteiro, 17.05.07

6 comentários:

Maria Costa disse...

"Aos que amam os pássaros que se desprendem da árvore da música"

Bela introdução.

maat disse...

Ruy Belo dizia: " conheço árvores que dão pássaros".
Tu conheces os pássaros , as árvores e o tempo dos pássaros amadurecerem em teu coração este belo poema.

Apetece-me dizer-te :
andas a ler tão belamente o Livro da Natureza , que os Sábios só revelam a quem tem respeito por Cronos e por Geia...


Comovo-me.
adeus,

***maat

lupussignatus disse...

Olá Maria Costa!

Obrigado.

lupussignatus disse...

Olá Maat!

Quem está comovido com o teu comentário sou eu.

Obrigado.

catamita disse...

muito bonito!

é um belo poema...

parabéns.

lupussignatus disse...

Olá Catamita!

Bem vindo...

Obrigado.